quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Não há mais tempo para contos de fadas
O que era para ser real
Deixou de acontecer
O que era imortal
Acabou de falecer
Não posso mais acreditar
Em mentiras mal contadas

O que há d eti em mim
Nunca irá desaparecer
Mas o que há de mim em ti?
Ainda resta algo, podes me dizer?
Sinto que nada mais, te perdi.
Ou melhor, tu me perdeste
Porque contigo na memória, hei de estar

Como não acreditar
em belos olhos cor de mel?
Lacrimosos como dias de verão
Doces como o céu
Profundidade que tocou meu coração
Mas agora é tarde
É o mesmo que escrever em vão

Não perdi o tempo
Foi o tempo que me perdeu
Não esqueci aquela história
Foi ela quem desapareceu
Não houve nenhuma vitória
Apenas mudanças
Mudanças perdias no
campo.

Nenhum comentário: