sábado, 9 de janeiro de 2010

hoje

Minha cabeça doi, talvez isso deva-se ao fato de eu quase não ter dormido.
Cheguei tarde, a semana foi toda assim...
Prometi a mim mesma que curtiria as férias como se fossem as últimas da vida.
E assim estou fazendo.
Pensei tanto, tanto, tanto, até em sonhos...
Seria hipocrisia da minha parte me ignorar agora,
dizer que não aprendi nada... Que foi tudo em vão.
Na verdade, o tempo só vai comprovando isso, que não foi em vão. É como se tivesse tido um propósito... Talvez tenha tido, mesmo...
Eu tinha dúvidas, tinha medos, tinha instabilidades, e tinha certezas. Poucas, mas tinha.
Muita coisa mudou, tudo sofreu um abalo, foi tudo uma catástrofe, essa é a realidade.
Pessimista ao extremo, sonhadora e imbecil. Isso é meio irônico, entra na lista das coisas que não fazem sentido na minha mente doentia.
Enfim, tinha muitas coisas, perdi quase tudo, fiquei sem chão.
É doloroso entender que eu nunca vou me livrar de mim. Portanto, o que eu tiver que fazer pra sentir-me bem, eu o farei, sem pensar duas vezes... As certezas continuam basicamente as mesmas, e isso não doi mais. Melhor pra mim. Melhor assim.
A tranquilidade deu uma passada por aqui, gostou e ficou.
Apreciarei sua presença como nunca antes... Até cair... E levantar outra vez.

Um comentário:

Sáh Oliveira disse...

Eu tinha dúvidas, tinha medos, tinha instabilidades, e tinha certezas.[2]

E como diria Arnaldo Jabor: "O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos[...]"

E nada, de fato, foi em vão... Sempre houve algo a se ganhar, nem que apenas a experiência...

A propósito, foi em 2009 que nos tornamos amigas [eu te considero minha amiga, enfim...].

Conta comigo Dhe, pro que der e vier.. [rimou!] [Eu sou besta oh!]